Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar, está a aceitar os nossos Termos e Condições.

Saiba mais Aceitar

Voltar ao índice

História da marca 02O desenvolvimento e sucesso de fontes originais

Scroll

Um novo desafio,
desencadeado pelo pedido da filial de vendas dos Estados Unidos

Em 1956, Masayoshi recebeu um pedido de Max Hugel, presidente da Brother International Corporation (EUA), para desenvolver uma máquina de escrever portátil, um produto promissor e com grande valor de mercado.

Este produto, essencial a qualquer escritório nos Estados Unidos era, naquela época, maioritariamente importado da Europa.
Através do desejo de Hugel de entrar neste mercado, Masayoshi decidiu, em 1958, iniciar o desenvolvimento da máquina de escrever portátil.

Como o desenvolvimento de máquinas de escrever era uma área completamente desconhecida para a Brother, foi necessário desenvolver produtos com uma qualidade superior à dos já existentes.
Foi criada uma equipe para este projeto, no departamento de engenharia, que encomendou e estudou arduamente vários produtos de vários fabricantes da Europa e Estados Unidos.
Como resultado, determinou-se que este projeto era possível, aproveitando a tecnologia de prensagem, desenvolvida através da engenharia de produção de máquinas de costura e do desenvolvimento do tear.
No entanto, o mais difícil seria a fabricação do "tipo", uma peça indispensável à impressão de texto.

A primeira máquina de escrever da Brother
e os maiores obstáculos para o seu sucesso

A perfeição das letras é o mais importante numa máquina de escrever.
A parte mais delicada do tipo, uma peça extremamente precisa, tinha apenas 0,04 mm.
Na Europa e nos Estados Unidos havia já fabricantes com décadas de especialização na impressão de texto, mas Masayoshi Yasui estava comprometido com o desenvolvimento totalmente interno.
A equipe técnica criou a prensa de cunhagem, uma máquina-ferramenta, e realizou pesquisas sobre a produção de tipos, mas não conseguiu produzir tipos cuja impressão fosse completamente perfeita.

Neste impasse diário, o vice-presidente, Jitsuichi Yasui, teve uma ideia.
Lembrou-se do "Hinamochi", um doce da sua infância, feito de uma pasta de farinha de arroz, pressionada num molde de madeira.
Na elaboração do "Hinamochi", o necessário não é pressionar com força, pois assim a pasta não se espalha uniformemente dentro do molde, mas sim amassar e empurrar gentilmente com as palmas das mãos.
Aplicando este método no processo de fabricação, foi finalmente possível alcançar um tipo caligráfico com letras nítidas e acentuadas.
Em 5 de Maio de 1961, após um ciclo de grandes esforços, a Brother concluiu a sua primeira máquina de escrever portátil - a JP1- com fontes de alfabeto atraentes, nítidas e inigualáveis.

Prensa de cunhagem e molde de impressão

A definição da imagem "Brother dos equipamentos de escritório"
e a aceleração da entrada nos mercados internacionais

A "JP1", produzida totalmente pela Brother, chegou ao mercado com o preço de 50 dólares, um preço razoável comparado aos produtos americanos de igual desempenho, vendidos a 70 dólares.

Com o sucesso de vendas nos EUA, o número de encomendas aumentou drasticamente, iniciando-se também a sua exportação para a Europa.
Assim foi construída a imagem da "Brother dos equipamentos de escritório", nos mercados do ocidente.

10 anos após o lançamento da "JP1", as máquinas de escrever da Brother foram disponibilizadas em 20 diferentes idiomas e foram exportadas hoje para mais de 100 países.
Mais tarde, com a evolução para máquinas de escrever elétricas e eletrônicas, a troca de tipos tornou-se possível e uma vasta variedade de fontes foi lançada para substituição.
Foi assim que a Brother construiu a sua sólida posição no mercado de máquinas de escrever.
Com o passar do tempo, a máquina de escrever foi substituída por processadores de texto e impressoras, tendo chegado ao fim a sua produção em Março de 2016.

Máquina de escrever Brother, exibida numa exposição na França

De máquinas de escrever a impressoras laser
A minúcia na impressão, geração após geração

Existem vários tipos de fontes para máquinas de escrever, desenvolvidas originalmente pela Brother.
Estes tipos de letra ganham vida com novos produtos Brother.

Em 1987, a primeira impressora laser da Brother "HL-8" foi introduzida no mercado.
O seu processamento de alta velocidade foi altamente apreciado no mercado, e foi eleita como "Editors' Choice" da revista "PC Magazine".
Uma parte das fontes embutidas neste produto foi, na verdade, desenvolvida para máquinas de escrever, mas modificada para a impressora laser.

Naquele tempo, ao se imprimir de um computador para uma impressora, informações como o tipo de letra e o seu tamanho, a cadeia de caracteres etc., tinham que ser enviadas do computador e era a impressora que processava dados como o tipo de caracteres a ser impresso, sendo por isso necessário equipar as impressoras com dados de fonte.

Em rotuladores, em máquinas de costura, no karaokê...
A obsessão por fontes ainda vive em uma variedade de produtos

A fonte original da Brother expandiu também para o japonês, que tem cerca de 8.000 caracteres, tendo sido utilizada para vários produtos, como para impressão com rotuladores e para bordar letras com máquinas de costura e bordado.

O sistema de karaokê comercial online "JOYSOUND", desenvolvido em 1992, adotou o tipo de letra original da Brother na exibição das legendas.
Em 2012 com o aparecimento da "JOYSOUND f1" foi adotada a utilização da fonte delineada, tornando possível uma nítida exibição de legendas mesmo em grandes telas.
Também nos multifuncionais e máquinas de costura com telas LCD, as suas utilizações continuam a aumentar.

Este desenvolvimento das fontes de máquinas de escrever nasceu do compromisso com um total desenvolvimento interno.
Apesar de as máquinas de escrever já não fazerem parte da nossa linha de produtos, a nossa dedicação é visível ainda hoje nas fontes existentes em cada produto.

Partilhar esta página